Crepuscular



Poente no meu jardim... O olhar profundo
Alongo sobre as árvores vazias, 
Essas em cujo espírito infecundo
Soluçam silenciosas agonias.

Assim estéreis, mansas e sombrias, 
Sugerem à emoção em que as circundo
Todas as dolorosas utopias
De todos os filósofos do mundo.

Sugerem... Seus destinos são vizinhos:
Ambas, não dando frutos, abrem ninhos
Ao viandante exânime que as olhe.

Ninhos, onde vencida de fadiga, 
A alma ingênua dos pássaros se abriga
E a tristeza dos homens se recolhe...

Autor: Raul de Leoni (1895-1926)
Editado por: nicoladavid

Comments