"Brisa"

Se eu fosse pintor pintava
De verde, verde e cinzento,
O ventre da onda brava
E os olhos cegos do vento.
Só com essas duas cores
Talvez que a tinta ocultasse
Meu prazer, as minhas dores...
Tudo o que me lês na face!
E, sob o feltro dos dedos
Poisando nas tuas ancas,
As ondas dos teus cabelos
De loiras ficavam brancas.
Nem sequer falas de gente!
Nem alegria, nem mágoa.
Ou luar ou sol poente.
Corpo de cristal com água...
Em vez de carne, cerejas.
Legumes, em vez de peixe,
Antes que meus lábios vejas
E, presos, um beijo os deixe.
Quem se lembraria então
Do Poeta (ou do pecado)
Atirado atirado para o chão
Como um fósforo apagado? 

 

Autor: Pedro Homem de Melo
Editado por: nicoladavid

Não esqueça ligar o som.
 
Comments