Carta


Eu queria trazer-te uma imagem qualquer para os teus anos…

Oh! mas apenas este vazio doloroso de uma sala de espera onde não está ninguém…

É que, longe de ti, de tuas mãos milagrosas de onde os meus versos voavam – pássaros de luz a que deste vida com o teu calor - é que longe de ti eu me sinto perdido - sabes? - desertamente perdido de mim!

Em vão procuro… mas só vejo de bom, mas só vejo de puro este céu que eu avisto da minha janela.

E assim querida, eu te mando este céu, todo este céu de Porto Alegre e aquela nuvenzinha que está sonhando, agora em pleno azul!

 

Autor: Mário Quintana (1906-1994)

Editado por: nicoladavid


Comments