Os Teus Olhos

I

Inveja a noite escura e tenebrosa
A negra côr do teu olhar vibrante,
Espelho d'alma triste e peito amante,
Imagem d'uma estrella radiosa.

O teu olhar de fogo! ...  É assombrosa
A luz que espalha ao de redor; distante
Se fôr um dia, caminheiro errante,
Que elle me enxuge a face lacrimosa.

Se além, na campa, os membros já cançados
Eu repoisar ao pé dos tristes lyrios
E dos funereos goivos delicados.

Pago serei então de meus martyrios,
Se, juncto a mim, teus olhos magoados
Forem-me, ali, os derradeiros cyrios.

II
Os olhos que me deram na existência,
Com seu gentil fulgor de virgindade,
Umas vezes amor, outras saudade,
Renascendo-me a paz na consciência;

Olhos cheios de vida e de inocência,
Revivos de perfume e suavidade,
Olhos de tão formosa claridade
Que escurecem do céu a transparência;

Talvez sejam ainda os companheiros
Da melodia heroica de meu canto,
Meus amigos sinceros, verdadeiros.

Talvez!... Mas se poder a sorte tanto
Que os arfaste de mim, que os derradeiros
Suspiros meus orvalhem com seu pranto.

 

Autor: Luis Vaz de Camões
Editado por: nicoladavid


Comments