Memória de meu bem, cortado em flores

 

Memória de meu bem, cortado em flores

por ordem de meus tristes e maus Fados,

deixai-me descansar com meus cuidados

nesta inquietação de meus amores.

 

Basta-me o mal presente, e os temores

dos sucessos que espero infortunados,

sem que venham, de novo, bens passados

afrontar meu repouso com suas dores.

 

Perdi nua hora quanto em termos

tão vagarosos e largos alcancei;

leixai-me, pois, lembranças desta glória.

 

Cumpre acabe a vida nestes ermos,

porque neles com meu mal acabarei

mil vidas, não ua só, dura memória!

Autor: Luis de Camões (1524-1580)

Editado por: nicoladavid

Comments