Despois que quis Amor que eu só

 

Despois que quis Amor que eu só

passasse quanto mal já por muitos repartiu,

entregou me à Fortuna, porque viu

que não tinha mais mal que em mim mostrasse.

 

Ela, porque do Amor se avantajasse

no tormento que o Céu me permitiu,

o que para ninguém se consentiu,

para mim só mandou que se inventasse.

 

Eis me aqui vou com vário som gritando,

copioso exemplário para a gente

que destes dous tiranos é sujeita,

 

desvarios em versos concertando.

Triste quem seu descanso tanto estreita,

que deste tão pequeno está contente!

 

Autor: Luis Vaz de Camões (1524-1580)

Editado por: nicoladavid

Comments