De tão divino acento e voz humana

 

De tão divino acento e voz humana,

de tão doces palavras peregrinas,

bem sei que minhas obras não são dinas,

que o rudo engenho meu me desengana.

 

Mas de vossos escritos corre e mana

licor que vence as águas cabalinas;

e convosco do Tejo as flores finas

farão enveja à cópia mantuana.

 

E pois, a vós de si não sendo avaras,

as filhas de Mnemósine fermosa

partes dadas vos tem, ao mundo caras,

 

a minha Musa e a vossa tão famosa,

ambas posso chamar ao mundo raras:

a vossa d'alta, a minha d'envejosa.

 

Autor: Luis Vaz de Camões (1524-1580)

Editado por: nicoladavid

Comments