Alegres campos, verdes arvoredos

 

Alegres campos, verdes arvoredos,
Claras e frescas águas de cristal,
Que em vós o debuxais ao natural,
Discorrendo da altura dos rochedos;

Silvestres montes, ásperos penedos,
Compostos em concerto desigual;
Sabei que sem licença de meu mal.
Já não podeis fazer meus olhos ledos.

E, pois já me não vedes como vistes,
Não me alegram verduras deleitosas
Nem águas que correndo alegres vêm.

Semearei em vós lembranças tristes,
Regar-vos-ei com lágrimas saudosas,
E nascerão saudades de meu bem.


Autor: Luis Vaz de Camões (1524-1580)
Editado por: nicoladavid

Comments