A morte, que da vida o nó desata

 

A Morte, que da vida o nó desata,

os nós, que dá o Amor, cortar quisera

na Ausência, que é contr' ele espada fera,

e co Tempo, que tudo desbarata.

Duas contrárias, que üa a outra mata,

a Morte contra o Amor ajunta e altera:

üa é Razão contra a Fortuna austera,

outra, contra a Razão, Fortuna ingrata.

Mas mostre a sua imperial potência

a Morte em apartar dum corpo a alma,

duas num corpo o Amor ajunte e una;

porque assi leve triunfante a palma,

Amor da Morte, apesar da Ausência,

do Tempo, da Razão e da Fortuna.

Autor: Luis Vaz de Camões (1524-1580)
Editado por: nicoladavid

Comments