"Meu coração online&#8207"

Poetas entendem de amor virtual porque tem em si a inspiração dos amores platónicos. Esse termo é usado porque Platão, filósofo grego, acreditava na existência de dois mundos: o das ideias e o finito, mundo material. No mundo das ideias, tudo seria perfeito e eterno. Assim os amores platónicos são uma espécie de idealização do outro. O mesmo pode acontecer com o amor virtual, quem está do outro lado do “tubo” pode não ser tão perfeito assim. Eu em meus dias já tive amores platónicos, a virtualidade daquilo que sonhava em meu coração que fosse realidade. Posso dizer que as vezes que o virtual tornou-se real jamais me decepcionaram, porque tinha na mente esse conceito, que o outro não é perfeito.
As pessoas de carne e osso têm defeitos e qualidades, as virtuais justamente pela barreira da distância, ainda que a conversa seja em tempo real, nem sempre nos deixam ver sua verdadeira face. Para conquistar precisamos mesmo só mostrar o nosso melhor. Sempre soube que amor ou paixão não são para principiantes, muitas vezes as pessoas se apaixonam é por si mesmas, pela sua capacidade de seduzir e se envolver, e não pelo outro, que é sempre tão complicado, cheio de carências e de expectativas.
Explicando como se eu fosse um médico (será algum tipo de fantasia?) entendo de amores platónicos e reais, de paixões verdadeiras ou virtuais por que já senti todos eles com muita intensidade, mas há uma espécie de síndrome com alguns amores virtuais para mim. Eles se pretendem reais, mas mostram-se só até uma parte, se o “livro” delas tem 100 páginas, você só conhece até a pagina 45 no máximo. Elas não cofiam, tá certo o mundo é mesmo um perigo, as pessoas não são mesmo confiáveis. Mas a gente quando sabe da gente e percebe que o outro não confia o caminho fica interrompido, a conexão cai mesmo e o coração fica offline.
Sou um pouco autobiográfico no que escrevo, mas tá tudo lá nas entrelinhas, dá vontade de colocar um sinal tipo * quando é 100% por cento, para sinalizar que “olha isso aqui é literal”, mas daí perderia a graça.
A parte tóxica do meu sangue inscreve no muro que “eu só sei amar se for para sentir dor ou para sentir prazer, isso significa que vou te fazer me odiar e me amar, mas juntos vamos sentir com toda a intensidade que esse sentimento tem”.
Amigos meus sempre me perguntam: “Você não te medo de se expor? De ficar vulnerável, das pessoas te ferirem? As pessoas sabem mais de você do que você sabe sobre elas”
Eu sempre respondo que não.

“Qual o seu nome?/Quero teclar com você/ O meu coração online/Não dorme sem navegar/Meu arquivo secreto (só meu)/Só tem mensagem de amor/Salva, não me deleta/Vê se me gravo em você...Eu sou seu site romântico/A senha do mapa astral/ Do outro lado do atlântico/Distante e em tempo real/Save-me Baby,save- meeeeeee” (Karynn- Amor virtual)


Autor: André Luis Aquino
Editado por: nicoladavid
Não esqueça de ligar o som.
 
Comments