Brilhante Seja O Pouso Da Tua Alma


Brilhante seja o pouso de tua alma!

Espírito nenhum mais atraente

Rompeu jamais o invólucro mortal

Para esplender na esfera transcendente.

 

Em vida quase que eras tu divina,

E tua alma imortalmente o deve ser;

Se, sabemos, teu Deus está contigo,

Deixe nossa tristeza de sofrer.

 

Leve seja o gramado em teu sepulcro!

Fulgure de esmeraldas a folhagem!

Não caia sombra de melancolia

Sobre o que nos evoque tua imagem.

 

Árvore sempre verde, mais botões,

Desse teu chão vejamo-los brotados;

Mas não vejamos teixo nem cipreste:

Por que chorar os bem-aventurados?

 

Autor: George (Lord) Byron (1788-1824)

Editado por: nicoladavid

Comments