"Canção"



Cortina verde a abanar

ao correr do doce frio

pudesse a mão que te move

suster meu sonho vazio.

 


Pudesse de qualquer modo

que tu és, sê-lo também:

cortina verde a abanar,

sem a imagem de ninguém...

 

Puro contorno ideal
de cousa inexistente —
pudesse o sonho que sonho
ser o meu ser de contente.


Que a sem razão que te move,
— cortina verde a abanar
p'ra além das margens do rio —
é a sem razão de sonhar
ao correr do doce frio.

 

 

Autor: Luis de Montalvor (1891-1947)
Editado por: nicoladavid



Comments