Ó belos olhos, ó cílios descidos

 

Ó belos olhos, ó cílios descidos,
Ó suspiros, ó lágrimas choradas,
Ó negras noites em vão tão esperadas,
Ó dias vãos em vão tão repetidos!

Ó tristes prantos, ó tempos perdidos,
Ó desejos, ó penas sufocadas,
Ó mil mortes em redes enlaçadas,
Ó males p’ra meu mal acontecidos!

Ó riso, ó fronte, ó braços, mãos e dedos!
Ó alaúde, ó viola dos enredos:
Archotes sois para uma fêmea arder!

De ti me queixo, que tais fogos tendo,
Só a mim afinal deixas ardendo,
Sem faúlha nenhuma te atingir!


Autor: Louise Labé (1524-1566)
Editado por: nicoladavid

Comments