"Primavera"

 
Quando ela esparge os seus cabelos de oiro
Sobre a montanha, os gelos diamantinos
Fundem-se logo em veios cristalinos

E o Sol resplende no seu disco loiro.

 

Sobre os doirados fios dos cabelos
Passa a torrente dos cristais desfeitos...

E ela, espremendo a turgidez dos peitos,
Transforma em rosas o cristal dos gelos.

 

Há zumbidos subtis de asas felizes
Trazidos pela brisa da montanha.
O alvoroço das seivas acompanha
O latejar profundo das raízes...

 

E, enquanto sonham mantos fantasistas
Dum verde tenro os plátanos e as faias,
Cobrem-se os braços negros das olaias
Duma folhagem roxa de ametistas...

 

Célere passa, tesourando os ares,
Num recortado voo uma andorinha...
se enfeita de pâmpanos a vinha

 

E há borboletas brancas nos pomares...

 

Mas, convertendo os últimos cristais
Em jorros de água límpida e sonora,
A Primavera, que palpita e cora,
Torce os cabelos de oiro nos rosais...

 

 

 

Autor: João Saraiva (1866-1948)

Editado por: nicoladavid

Vídeo do YouTube

Comments