Dedicatória d´um livro

 

Tu, cujo olhar bondoso e claro e penetrante
Tantas vezes senti, dulcissimo luar,
Tu, que vias passar como um navio errante
A minh'alma sem rumo, e nesse mesmo instante
Sobre um amargo oceano a fizeste parar;

Tu, que vinhas de noite em sinal de bonança,
E arrastando na treva um manto cheio d'astros,
Lançar sobre o horizonte o Arco-da-Aliança
E despojar a Dôr da ensanguentada lança
Que me levava adiante a soluçar, de rastros;

Tu que fôste no mar a ancora d’oiro, o braço
Que desarmava a Dôr e me erguia do chão,
Nunca mais! nunca mais me guiarás o passo...
Porque o Arco-da-Aliança extinguiu-se no espaço,
Porque a voz que te chama ecôa agora em vão!

Vou de novo largar o barco fugidio
Sobre este mar de fel, longe dos olhos teus!
Que importa! Não vou só... Navegador sombrio,
Levo a Dôr ao meu lado, á pôpa do navio,
E este livro na mão para dizer-te adeus...

Autor: João Saraiva (1866-1948)
Editado por: nicoladavid

Vídeo do YouTube

Comments