Sempre

 

Nem te vejo por entre a gelosia; 
Nunca no teu olhar o meu repousa; 
Nunca te posso ver, e todavia, 
Eu não vejo outra cousa!


Autor: João de Deus (1830-1896)
Editado por: nicoladavid

Comments