"Agora"

A Luz que dá o teu rosto
É a luz da madrugada,
Mas vi-a quase ao sol-posto
De uma vida amargurada...
tão tarde vi o teu rosto! 

 

Oh! Se na manhã da vida
Me raia logo essa aurora,
Quando folha e flor caída
Me embelezara inda agora
O triste arbusto da vida!
 

Mas andei sempre às escuras...
Por onde nem sol se lobriga
Luz de estrelas nas alturas,
Quanto mais em face amiga...
Eu andei sempre às escuras!

 

E agora, vendo a beleza
Dessa luz que me alumia,
Não sei se a minha tristeza
É mais que a minha alegria...
Vendo agora essa beleza! 

 

Autor: João de Deus
Editado por: nicoladavid

Não esqueça ligar o som.
Comments