"Ao Bernardo Santareno"


Sobre um rasto de sangue nasce o dia.

A morte é a coragem de esquecer

a água que há no poço da alegria

ou a força que impede de a beber.

 

Aqui já ter coragem  e ter casa

erguida no silêncio destes dedos

que tocam as palavras  como a asa

do medo vai tocando outros segredos

 

abertos nessa raiva que nos prende

ao chão e à ternura  não à sede

do homem que se compra  que se vende

e acaba fuzilado na parede.

 

Autor: Joaquim Pessoa
Editado por: nicoladavid



Comments