Penando Ausente e Presente

 

Se a vossos olhas chego,

Se deles me desvio

Na dura ausência, e no suave emprego,

Um incêndio padeço, e choro um rio.

E sempre em tal pesar, e prazer tanto,

Se turva a vista em luz, se turva em pranto.

Ai como temo que me façam cego

De ver no gosto, e de não ver na mágoa

Vossos olhos em fogo, e os meus com água.

Autor: Frei Jerónimo Baía (1620/30-1688)
Editado por: nicoladavid

Comments