À morte do Conde de Castelo Melhor

 

O Castelo melhor, o melhor forte,
Glória do Minho, horror de Salvaterra,
Quando subiu ao Céu, caiu à terra;
Cato, ai triste caso! ai dura sorte!

Da maior fortaleza de Mavorte
Um jaspe só toda a ruína encerra.
O tempo fez o que não fez a guerra;
O que não pôde Marte, pôde a Morte.

Fosso lhe deu, serviu-lhe de estacada
Pio o Galego, o Castelhano exangue,
Com cadáveres um, outro com sangue.

E fora extinta, e fora aniquilada,
A ter mais duração ou mais estrela,
Deste Castelo só toda Castela.


Autor: Padre Jerónimo Baía (1620/30-1688)
Editado por: nicoladavid

Comments