A linhagem do Céu

 

Tétis gerou de Oceano os rios rodopiantes: Nilo, Alfeu, Erídano de rodopios profundos, Estrímon, Meandro, Istro de belo fluir, Fase, Reso, Aquelôo de rodopios de prata, Nesso, Ródio, Haliácmon, Sete-bocas, Granico, Esepo, Simoente divino, Peneu, Hermo, Caico bem-fluente, Sangário grande, Ládon, Partênio, Eveno, Árdesco e Escamandro divino.

E pariu a sagrada geração de filhas que pela terra adolescem homens com Apoio rei e com os Rios e que têm de Zeus esta honra:

Persuasiva, Virgínea, Violeta, Ambarina Dádiva, Popa, Celeste de divina aparência, Equina, Clímene, Rósea, Belaflui, Núpcia, Clítia, Sábia, Persuasora, Plexaura, Galaxaura, amável Dione, Pecuária, Veloz, formosa Polidora, Tecelã de amável talhe, Riqueza de olhos bovinos, Perseida, Ianeira, Acaste, Loira Pétrea amorosa, Resistência, Europa, Astúcia, Eurinome, Concludente de véu açafrão,

Áurea, Ásia, amorosa Calipso, Doadora, Acaso, Circunflui, Velozflui

e Estige que dentre todas vem à frente.

Estas nasceram de Oceano e de Tétis filhas mais velhas: há muitas outras ainda, há três mil Oceaninas de finos tornozelos que dispersas percorrem terra e águas profundas por igual e de todo, crias magníficas entre Deusas.

Outros rios que fluem fragorosos são tantos filhos de Oceano, gerou-os Tétis soberana.
De todos é difícil a um mortal dizer o nome, a cada um conhece quem habita à sua beira.

Téia gerou o grande Sol, a Lua brilhante e Aurora que brilha a todos nós sobreterrâneos e aos Deuses imortais que têm o céu amplo,

gerou-os submetida a Hipérion em amor.

Euríbia unida a Crios em amor gerou divina entre Deusas: o grande Astreu, Palas e Perses distinto de todos pela sabedoria.

Aurora gerou de Astreu ventos de ânimo violento, Zéfiro clareante, Bóreas de veloz caminhada e Notos, no coito amoroso a Deusa com o Deus, e após aurorante pariu a Estrela da Manhã e os astros brilhantes de que o céu se coroa.

Estige filha do Oceano unida a Palas no palácio pariu Zelo e Vitória de belos tornozelos e pariu Poder e Violência, insignes filhos.

Longe deles não há morada de Zeus nem pouso nem percurso por onde o Deus não os guie mas sempre peito de Zeus gravitroante repousam.

Assim decidiu Estige imperecível Oceanina no dia em que o Olímpio relampeante a todos os imortais conclamou ao alto Olimpo, e disse quem dos Deuses combatesse com ele os Titãs ele não o privaria dos prêmios e cada honra manteria como antes entre os Deuses imortais,

e que o não-honrado sob Crono e sem-prêmios honra e prêmio alcançaria, como é justiça.

E veio primeiro Estige imperecível ao Olimpo com os filhos, por desígnios de seu pai; honrou-a Zeus e supremos dons lhe deu: fez dela própria o grande juramento dos Deuses e seus filhos para sempre residirem com ele.

Assim para todos inteiramente como prometeu cumpriu, ele próprio tem grande poder e reina.

Autor: Hesíodo (Séc. VIII-VII a.C.)
Editado por: nicoladavid

Comments