Nas ruínas do arco

 

Nas ruínas do arco 
pedras cujo tempo avermelha, 
o trabalho de cinzel bruto foi galopante 
escudo gótico.

Sua pluma capacete de granito, 
a hera pendurado em volta 
sombreava o escudo em uma mão 
tinha ele um coração.

A que se refere o lugar deserto 
paramos nele. 
E isso, segundo ele, é o emblema apropriado 
do meu amor constante.

Ah, e é verdade o que eu disse então: 
que o coração não 
vai levá-lo na mão… em qualquer lugar… 
mas não no peito.

Autor: Gustavo Adolfo Bécquer (1836-1870)
Editado por: nicoladavid

Comments