Epitalâmio

 

Toda de branco, branquinho,

Vai a Lua pelo céu...

Ela me lembra a Farinho

De noiva, com o seu véu.

 

Ela esbelta e muito pura,

Olhos de amêndoa, a brilhar,

Mais linda que a formosura

Entre as luzes do altar.

 

Tem no dedo uma aliança

Que nos diz que está casada.

Que Deus cumpra, pois a esp’rança,

A de sempre ser amada!

 

A seu lado, sorridente,

Seu esposo agora a beija

Diante de toda a gente

Que assiste ao acto na igreja.

 

Bem merecem ser felizes,

Colher o néctar da vida,

Abelhas entre os matizes

Da Primavera florida!...

 

Meus caros  – Zé e Farinho –,

Me perdoem, se fui rude...

Ergo a taça de alvarinho

E brindo à vossa saúde.

Autor: Gentil Valadares (1916-2006) - in Orgia de Sons
Editado por: nicoladavid

Comments