Contrastes

 

Há gente

que chora,

descrente,

a Hora

presente.

E a ave,

no entanto,

seu canto

gorjeia

suave

n’aldeia...

 

A onda

redonda,

redonda

de cheia,

se espraia

na areia

da praia...

Mas, presa,

há gente

na cela

que sente

tristeza

e anela

ser ela!

 

Na fonte

do monte

a fala

da água,

que desce

de frágua

em frágua,

mais prece

parece

de mágoa...

 

É antes

cantar

a bulha

que faz,

já certa

de ver-se

liberta,

rever-se

qual dantes

em paz.

 

A brisa,

sedenta

de olor,

desliza

de flor

em flor...

É como

redoma

que encerra

o aroma

da terra.

 

Mas quem

detém

a ideia

de alguém?

A ideia

alheia...

.............

.............

Ninguém!

Autor: Gentil Valadares (1916-2006) -  in Flauta Enamorada
Editado por: nicoladavid

Comments