A F., Agradecendo-lhe umas rosas

 

Estes mimos da luz, do campo alarde, 
Mariposas do Sol, línguas da Aurora, 
Sendo alinhos de Abril, troféus de Flora, 
São galas na manhã, lutos na tarde.

Sem que do fado insano o Sol as guarde, 
Marchita as flores, quando as enamora, 
Pois cada rosa que com luzes dora 
É borboleta que nas chamas arde.

Fílis, mais do que amante, andais ingrata, 
Querendo dos rigores fazer moda, 
Embuçando o favor na tirania,

Pois, no caduco ser desta escarlata, 
Dais a um amor, que dura a vida toda, 
Um galardão que apenas dura um dia.


Autor: Francisco de Vasconcelos (1665-1723)
Editado por: nicoladavid

Comments