Saudade


Saudade! Olhar de minha mãe rezando

e o pranto lento deslizando a fio...

Saudade! Amor de minha terra... O rio...

Cantigas de águas claras, soluçando.

 

Noites de junho. O caburé com frio,

ao luar, sobre o arvoredo... piando... piando...

e, ao vento, as folhas lívidas cantado

a saudade infeliz de um sol de estio.

 

Saudade! Asa de dor do pensamento!

Gemidos vãos de canaviais ao vento...

As mortalhas de névoa sobre a serra.

 

Saudade! O Parnaíba – velho monge –

as barbas brancas alongando... E, ao longe,

o mugido dos bois de minha terra...

 

Autor: Da Costa e Silva (1885-1950)
Editado por: nicoladavid


Comments