Poeta

 

Poeta, a construíres sonhos contraditórios! 
Tu tens na vida uns ideais burgueses 
Que não te satisfazem! 

Poeta, tu desejas 
Misérias e reveses 
Que te façam cantar. 
E amas o conforto, 
E gostas de jantar!... 

Poeta, sempre em luta vã contigo, 
— Que sofres de já ser aquilo que não és, 
Que sofres de não ser aquilo que queres ser... 

Poeta, é já bem grande o teu castigo. 
É preciso viver. 

Autor: Francisco Bugalho (1805-1949)
Editado por: nicoladavid

Comments