Oh, Vida! Fugitiva Companheira

 

Oh, Vida! 
Fugitiva companheira, 
Eu sinto que não posso acompanhar-te. 
Por isso, nesta hora feiticeira, 
Quisera erguer-te uma barreira 
E fazer-te parar 
E abraçar-te; 
E abraçar-te tão íntimo e tão fundo 
Que toda a vida apenas de um segundo 
Em mim entrasse, em mim vivesse, 
E que depois viesse o fim do Mundo 
Ou que eu morresse!... 

Autor: Francisco Bugalho (1805-1949)
Editado por: nicoladavid

Comments