Eu vou chorando os meus passados anos

Eu vou chorando os meus passados anos
Que em um amor da terra consumi,
Sem me erguer a voar, e tinha as asas,
Por que desse de mim- mais alto exemplo.

Tu que vês o meu mal indigno, impio,
Pai do Céu, invisível, imortal,
Socorre esta alma transviada e fraca,
E com Tua graça, minhas faltas supre.

Que, se eu vivi em guerra e na tormenta
Morra em paz e no porto, e se a estadia
Foi vã, que seja honesta a despedida.

Neste pouco de vida que me resta
E na morte, Senhor, Tua mão me estende:
Sabes que em ninguém mais ponho esperança.

Autor: Francesco Petrarca (1304 – 1374)
Editado por: nicoladavid

 
 
Comments