O régio saltimbanco

 

Outrora quando um monstro, um César, um bandido,
Sentia o coração de rei prostituído
Pulsa-lhe sob o tédio, armado a gladiador,
Descia ao Coliseu - satânico de horror -
Para embeber sedento a cólera da hiena
No sangue dos plebeus a espadanar na arena.
Franqueava às multidões os pórticos reais
Desfeitas ao clarão das régias bacanais,
E dentre o tumultuar ciclópico do vício
O César engendrara um fogo de artifício.
Essa alma surda à voz do plectro coração
Queria mergulhar em chamas a paixão!
“Ao fogo!”
E em derredor, extático, surpreso,
O mundo via arder uma cidade em peso;
Enquanto descansava o rei nas alvas cãs
Nos braços ébrios, nus, das ébrias barregãs,
Co’a horizontal placidez medonha de um Cerbero!
Festins de Trimalcião e diversões de Nero.
Mas hoje o imperador tem outras ambições
Não desce a digladiar com tigres e leões
Nem arroja o seu nome ao nada, ao vilipêndio
Com Roma ao crepitar o fantástico incêndio...
P’ra dar o nome ao sec’lo, ao povo, a u’a nação
Atira-se a uma praça e sagra-se histrião!
É outro Coliseu: mais vasto, mais fecundo
Tem Roma por cenário e por plateia o mundo.
É mais variada a festa.
A um tempo o imperador
É sábio, poliglota, artista e professor,
Acrobata, truão, frascário, rei e mestre,
D. Juan, Robert, Falstaff e Benoiton equestre.
Oh! deve ser imenso, esplêndido o festim
Onde vai exibir-se o célebre arlequim,
Colher, longe da pátria, além, n’outro horizonte.
Mais um florão gentil que orne a heróica fronte.
A Roma meretriz essa imortal galé
Que um deus acorrentara a um poste
Santa-Sé,
Heróico vencedor, colérico, iracundo,
Temendo em saturnais lhe submergisse o mundo
Dir-se-ia que olvidou a prece do cristão
Para entregar-se nua ao novo Trimalcião
Que ouviu novo estertor de servos gladiadores
Na liça triunfal de vis batalhadores
E ergueu-se dos lençóis do papa
Mastaí Bradando à Religião:
“Ao Circo! eu não morri!”
E santo e majestoso e nobre e gigantesco!

Autor: Fontoura Xavier (1856-1922)
Editado por: nicoladavid

Comments