Poema Duplo do Lago de Éden

 

Era a minha voz antiga 
ignorante dos densos sumos amargos. 
Adivinho-a a lamber-me os pés 
sob os frágeis fetos molhados.

Ai voz antiga do meu amor! 
Ai voz da minha verdade! 
Ai voz de minhas costas abertas, 
quando todas as rosas me brotavam da língua 
e a relva não conhecia a impassível dentadura do cavalo!

Estás aqui a beber meu sangue, 
a beber meu humor de menino passado, 
enquanto meus olhos se quebram no vento 
com o alumínio e as vozes dos bêbados.

Deixai-me passar a porta 
onde Eva come formigas 
e onde Adão fecunda peixes deslumbrados. 
Deixai-me passar, homenzinhos dos cornos, 
o bosque dos espreguiçamentos 
e dos saltos alegríssimos.

Eu sei o uso mais secreto 
que tem um velho alfinete oxidado 
e sei o horror de uns olhos  acordados 
sobre a superfície concreta do prato.

Mas não quero mundo nem sonho, voz divina, 
quero a minha liberdade, meu amor humano 
no recanto mais escuro da brisa que ninguém queira. 
Meu amor humano!

Esses cães marinhos perseguem-se 
e o vento espreita troncos descuidados. 
Oh voz antiga, queima com tua língua 
esta voz de lata e de talco!

Quero chorar porque me dá gana, 
como choram os meninos do banco mais atrás, 
porque não sou um homem, nem um poeta, nem uma folha, 
mas um pulso ferido que ronda as coisas do outro lado.

Quero chorar ao dizer o meu nome, 
rosa, menino e abeto na margem deste lago, 
para dizer minha verdade de homem de sangue 
matando em mim a troça e a sugestão do vocábulo.

Não, não. Eu não pergunto, eu desejo. 
Voz minha libertada que me lambes as mãos. 
No labirinto de biombos é meu corpo nu o que recebe 
a lua de castigo e o relógio sob a cinza.

Assim falava eu. 
Assim falava quando Saturno parou os comboios 
e a bruma e o Sonho e a Morte andavam a buscar-me. 
Andavam a buscar-me 
ali onde mugem as vacas que têm patinhas de pagem 
e onde flutua meu corpo entre os equilíbrios contrários.


Autor: Frederico Garcia Lorca (1898-1936)
Editado por: nicoladavid

Comments