Nocturno De Lisboa

Pela noite adiante, com a morte na algibeira,
cada homem procura um rio para dormir,
e com os pés na lua ou num grão de areia
enrola-se no sono que lhe quer fugir. 

Cada sonho morre às mãos doutro sonho.
Dez-réis de amor foram gastos a esperar
O céu que nos promete um anjo bêbado
é um colchão sujo num quinto andar.


Autor: Eugénio de Andrade (1923-2005)
Editado por: nicoladavid




Comments