"Dionisíaca"

 
Domingo. Povo. A casaria brilha.

Homens com cintas, a mulher de bioco....

Vendas abertas: todo o vinho é pouco

Ante a sardinha estiva ao ar da Ilha.

  

Em canastras a uva maravilha.

Montanheiros brutais jogam o truco:

Moscatel! quem não há-de, pelo suco,

Dar o sinal vermelho da manilha?!

 

As pipas rebolaram pelo solo

Uvas e sol - Dioniso e Apolo -

Ressumam cachos, abrem-se as torneiras.

 

A luz deslumbra nas paredes, crua...

E dos quintais transborda para a rua

A carcajada fraca das parreiras!

 

Autor: Emiliano da Costa (1884-1968)
Editado por: nicoladavid

 

 

Comments