Tão-só com as lombadas destes livros

 

Tão-só com as lombadas destes livros
dialogando ao longo destas noites
a ti mesmo perguntas quais os livros
onde lateja a luz das tuas noites
Não a da lua que vive em tantos livros
Não a do sol que morre em tantas noites
Antes uma nascida aquém dos livros
ou mais outra queimando além das noites
os espectros anónimos dos livros
o sudário paupérrimo das noites
De noites não será 
 nem já de livros
a tua imensa fome nestas noites
em que o pulsar do coração dos livros
só se escuta no pulso de tais noites

Autor: David Mourão Ferreira (1927-1996)
Editado por: nicoladavid

Comments