O Espectro

 

Como os anjos de olho fero
Voltarei à tua alcova
Deslizando sem ruído
Junto das sombras da noite;

E dar-te-ei, ó trigueira,
Beijos frios como a lua
E carícias de serpente
De rojo perto de um túmulo.

Em chegando a manhã lívida,
Meu lugar verás vazio,
Também frio até à noite.

Na tua juvenil vida,
Como outros p'la ternura,
Hei-de reinar p'lo temor!

Autor: Charles Baudelaire (1821-1867)
Editado por: nicoladavid

Comments