Louvores à Minha Francisca

 

“Versos compostos para uma modista erudita e devota”

 

Em novas cordas te canto,
Ó corça de álacre encanto
Que se diverte em meu pranto.

Envolve o corpo de flores,
Ó mulher que aos pecadores 
Perdoa as culpas e as dores!

Como a um Lestes benfazejo,
À boca te sorvo um beijo,
Pois que és imã do desejo.

Quando da tormenta da orgia
Meus caminhos confundia,
Eis que vieste, Deusa, um dia,

Bendita estrela dos mares,
Nos naufrágios, nos pesares...
A alma elevo a teus altares!

Límpida e fresca nascente,
Fluxo de eterno presente,
Restituiu-me a voz ausente!

O que era impuro queimaste;
O que era áspero alisaste;
O que era frágil firmaste.

Na minha fome, taverna,
Na minha noite, lanterna,
Sempre reta me governa.

À força mais força soma,
Doce banho cujo aroma
Suavíssimo vem à tona!

Cinge-me toda a cintura,
Casta insígnia que fulgura
Em seráfica tintura;

Taça que em gemas faísca,
Salso pão, dádiva prisca,
Divino vinho, Francisca!


Autor: Charles Baudelaire (1821-1867)
Editado por: nicoladavid

Comments