Tela Íntima

 

Lá fora, a noite escura… o vento aos ais,
A soluçar e a rir – doido soturno,
É um violinista trágico e nocturno
Wagnerizando a voz dos temporais!

Lá fora, a chuva fria das procelas…
E cá dentro, ao calor da nossa casa,
O nosso coração a arder em brasa
E o silêncio divino das estrelas

Tu embalas ao colo a nossa Filha…
A luz, a arder, que em nossos rostos brilha,
Dá-lhes um tom rosado de manhã…

E com a estranha e misteriosa tinta,
Com que Deus ao Sol-Posto as coisas pinta;
Nós formamos um quadro de Rembrandt!

 

Autor: Campos de Figueiredo (1899-1965)
Editado por: nicoladavid

Comments