O lavrador crê e espera!

 

O lavrador crê e espera!
Hoje o sol ao mergulhar,
Levava enturvada a esfera,
E ao largo bradava o mar!

Morto o vento, de repente!
Tejo dentro, a calmaria!
Uma barra no ponente,
E, do nascente, a lestia!

Já retoiçaram na areia
Os maçaricos da praia.
Trouxe um circo a lua cheia:
Não tarda que a chuva caia!

Autor: Raimundo António de Bulhão Pato (1818-1912)
Editado por: nicoladavid

Comments