Na jardia e no souto

 

Na jardia e no souto, a entrada não foi grande;
Nem um pombo trocaz a procurar a glande!

Porém não falta ensejo,— até à Conceição,
Para entrada real, é próspera a sazão!

Agora palestrar, em volta da lareira,
Ao grato crepitar dos toros da azinheira!

Aperta, lá por fora, o límpido nordeste;
Caça de arribação gosta do tempo agreste.

Com sessenta e mais quatro, e quatro bem contados,
Inda rompo com alma os matagais fechados!

Quero que encham ver amanhã, praguentos,
Como bate o montado, a minha Tullia, a ventos!

Autor: Raimundo António de Bulhão Pato (1818-1912)
Editado por: nicoladavid

 
 
Comments