Ser prole de varões assinalados

 

Ser prole de varões assinalados,
Que nas asas da fama e da vitória
Ao templo foram da imortal memória
Pendurar mil troféus ensanguentados;

Ler seus nomes nas páginas gravados
De alta epopeia, de elegante história,
Não, não vos serve de esplendor, de glória,
Almas soberbas, corações inchados!

Ouvir com dor o miserável grito
De inocentes, que um bárbaro molesta,
Prezar o sábio, consolar o aflito;

Prender teus voos, Ambição funesta,
Ter amor à virtude, ódio ao delito,
«Das almas grandes a nobreza- é esta».


Autor: Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805)
Editado por: nicoladavid

Comments