Outro Soneto do Prazer Efémero


Quando do grão Martinho a fatal Marca

O termo fez soar no seu chocalho,

Levou três dias a passar ‘varalho’

Do medonho Caronte a negra barca;

 

Eis no terceiro dia o padre embarca,

E o velho, que a ninguém faz agasalho,

Em prêmio quis só ter do seu trabalho

O gáudio de ver porra de tal marca:

 

Pegou-se ao cão trifauce a voz na goela

Ao ver de membro tal as dianteiras,

E Plutão a mulher pôs de cautela:

 

Porém Dido gritou às companheiras:

"Agora temos porra; a ela, a ela,

Que as horas de prazer voam ligeiras!"

 

 

Autor:  Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805)

Editado por: nicoladavid


Comments