O Filho do Grão-Rei

 

O Filho do Grão-Rei, que a monarquia
Tem lá nos Céus, e que de si procede,
Hoje mudo e submisso à fúria cede
De um povo, que foi seu, que à morte o guia.

De trevas, de pavor se veste o dia;
Inchado o mar, o seu limite excede;
Convulsa a terra, por mil bocas pede
Vingança de tão nova tirania.

Sacrílego mortal, que espanto ordenas,
Que ignoto horror, que lúgubre aparato! ...
Tu julgas teu juiz! ... Teu Deus condenas!

Ah! Castigai, Senhor, o mundo ingrato!
Caiam-lhe as maldições, chovam-lhe as penas!
Também eu morra, que também vos mato.


Autor: Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805)
Editado por: nicoladavid

Comments