Cala a boca, satírico poeta

 

Cala a boca, satírico poeta,
Não te metas no rol dos maldizentes;
Não tragas os mestiços entre dentes,
Restitui ao carcás a ervada seta.

Dizes que é má nação, que é casta abjecta,
Fruto de enxertos vis? Irra! Tu mentes.
Vai ver-lhes os seus papéis: são descendentes
Do solar de Hidalcão por linha recta.

Vem de heróis, quais não viu Cartago ou Roma;
De seus avós, andantes cavaleiros,
A chusma de brasões não cabe em soma;

E (se não mentem certos noveleiros)
A muitos deles concedeu Mafoma
O foro de fidalgos escudeiros.


Autor: Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805)
Editado por: nicoladavid

Comments