A Noite de Natal



Ó doces sinos do Carmelo,

Voai alegremente ao Céu.

Nesta noite misteriosa,

Tão pura e tão deliciosa,

Gosto de ouvir vossos carrilhões,

No silêncio tão profundo

Da noite grande e solene,

Memorável e sempre tão bela

Enquanto que vós, ó carmelitas,

Almas escolhidas, almas de elite,

Vós orais junto ao senhor

Numa santa e bem doce felicidade,

Atrás de vossa espessa grade,

Ó santas almas, pobres moças.

Eu, eu também oro ao Senhor,

Dou-Lhe meu pobre coração

Peço-Lhe por partilha

Ser humilde e pobre à Sua imagem,

De tudo deixar por Ele,

A Ele para sempre sem partilha

Amando cada vez mais cada dia,

Tê-l’O enfim como único apoio

Sofrer com Ele o Calvário

Num pobre e santo mosteiro.

Sofrer, enfim! Sempre sofrer,

Oh, tal é meu ardente desejo!…

E diante do presépio oro

Com grande fervor,

Pedindo a Jesus Salvador

Que queira aceitar minha vida

Pela conversão dos pecadores,

Por aqueles que ultrajam Seu Coração!…

Neste pobre e frio estábulo,

Como é belo, o Menino Jesus!

Ó graça, ó prodígio, ó milagre,

Foi por mim, então, que Ele veio!

Ó doces carrilhões do Carmelo,

Voai alegremente ao Céu

Nesta noite misteriosa,

Tão pura e tão deliciosa.


Autora: Beata Elisabeth da Trindade (1880-1906)
Editado por: nicoladavid

Comments