Subconsciência

 

Existe em nós um grande amor adormecido
Que sentimos vibrar dentro do nosso eu.
Será recordação de um afeto perdido
Que tivemos um dia e desapareceu?

Penso, às vezes, ouvir, num murmúrio dolorido,
A voz de um velho amor, muito meu, todo meu,
Sem me lembrar, sequer, que ele tenha existido,
Mas saudoso de um bem que ele jamais me deu.

Terá vivido em mim numa pregressa vida,
E é, hoje, qual o aroma, a essência de uma flor,
Como num vaso, na minha alma recolhida?

Sei apenas que sinto e não tem o travor,
O ciumento azedume, a fereza homicida
Do capricho brutal que chamamos amor.

Autor: Bastos Tigre (1882 - 1957)
Editado por: nicoladavid

Comments