O Marimbondo


A perna de dona Helena
Um marimbondo mordeu
E com a ferroada, a pequena,
Trincando os lábios gemeu.

Com a dor a moça se inferna
E diz: - Que coisa medonha!
Mordeu-me logo na perna,
Marimbondo sem-vergonha!

Do inseto as asas se somem;
Fugiu, deixando o ferrão;
Com certeza ele foi homem
Numa outra encarnação...

De quem sofre eu tenho pena
Mas sou da justiça amigo;
E por isso, à dona Helena
Com toda franqueza eu digo:

- A verdade eu não escondo,
A sem-vergonha é a senhora
Que, à vista de um marimbondo,
Anda com as pernas de fora!


Autor: Bastos Tigre (1882 - 1957)
Editado por: nicoladavid

Comments