Linguagem do Olhar

 

Nunca eu te visse, nunca eu te encontrasse,
Ou te encontrasse e visse em noite escura,
Sem que o esplendor de tua formosura
Pelos meus olhos, ofuscante, entrasse.

Grave, fingi bom senso e compustura;
Porém, por muito que fingir buscasse,
Um rápido olhar teu, leve e fugace,
Num momento estragava-me a figura.

Mudo fiquei; mas resistir quem há de,
Por mais que se requinte em ser honesto,
De um olhar à diabólica maldade?

Olhos se entendem sem palavra ou gesto
E, do que sentem, dizem só metade;
Quem saiba ouvi-los que conclua o resto.

Autor: Bastos Tigre (1882 - 1957)
Editado por: nicoladavid

Comments