Francamente

 

Não procures em mim fidelidade;
Nem coisa tal é coisa que se peça
A quem, como eu, sincero, te confessa
Amar no amor a eterna variedade.

Podia prometer-te... À vã promessa
Prefiro a nobre e sólida verdade:
Com o meu temperamento e a minha idade
Não é o amor grandeza que se meça.

Não se ama por tamina ou por compasso,
Em dose certa, às cotas ou às colheres...
Ama-se enquanto houver no mundo espaço!

Amar-te, a ti somente? é o que tu queres?
Não, minha flor, desculpa-me; não faço
Tamanha afronta... ao resto das mulheres!  

Autor: Bastos Tigre (1882 - 1957)
Editado por: nicoladavid

Comments