Egoísmo

 

É por meu próprio bem que eu quero o bem alheio;
Porque busco ser bom é que me torno egoísta,
Pois, a todo momento, olhando o mundo anseio
Transformar em prazer o que me passa à vista.

O pranto me horroriza, os lamentos odeio,
Apavora-me a dor que os corações contrista;
Quanto o prazer é belo, o sofrimento é feio,
A luz espiritual do meu senso de artista.

E jamais direi "não" a quem meu sim procura;
Compelido a julgar, prefiro ser mau juiz,
A criar com o castigo uma nova amargura.

E se a alguém já fiz mal, a mim mesmo é que o fiz;
Pois é, do meu egoísmo, a suprema ventura
Ver, em redor de mim, todo mundo feliz.

Autor: Bastos Tigre (1882 - 1957)
Editado por: nicoladavid

Comments