Sonetos Herécticos

 



Cristo, o mito maior da humanidade, 
A nós chegou por força do Evangelho. 
Mateus, Marcos, Lucas, João, o velho, 
Vêm há muito enganando a cristandade. 

Pregando a paz, o amor, a caridade, 
Esses quatro não deram bom conselho, 
Porque por sobre o mundo cai o relho 
Com força, com sadismo e crueldade. 

O mundo é todo feito de maldade, 
De trevas, sem lugar para Jesus, 
Por desígnio da própria Divindade. 

A tragédia do Cristo numa cruz 
É recado fatal pra humanidade: 
- O último que sair apague a luz! 

II 

Caim matou Abel, primeiro crime 
Que a fera humana no mundo cometeu, 
E desde aquele tempo a fera imprime 
No mundo todo o mal que Deus lhe deu. 

Se houve algum bem no mundo, feneceu. 
E o Deus que dizem Santo e que redime 
Matou seu próprio filho, o Galileu, 
Sendo um Deus vingador que pune e oprime. 

Se é Santo, Pai Bondoso e Sapiente 
Por que não leva bálsamo ao desgraçado 
E não amaina a dor de tanta gente? 

O homem é um ser tão desesperado 
Que se há um Deus é fraco e negligente, 
Um poço de omissão, despreparado. 

III 

O Deus de Salomão, feliz burguês, 
É Deus de classe que massacra o pobre. 
Para essa Divindade só tem vez 
O que tem cabedal, o rico, o nobre. 

E o Deus de Jó? Cruel e descortês 
Tomou-lhe herança, a paz, o pão e o cobre, 
Fê-lo de Satanás presa e freguês... 
Maldade assim, bem sei, não há quem obre!!! 

Um Deus que proibiu o herói Moisés 
Na Terra Prometida pôr os pés 
É Ser que impõe vingança e opressão. 

Est’outro Deus de amor e de esperança 
Só serve pra suprir a insegurança 
E a vã credulidade do cristão. 

Autor: Barros Alves
Editado por: nicoladavid

Comments